São Paulo - Pontos Turísticos

Catedral da SéCatedral da SéPateo do ColegioMosteiro São BentoMercado MunicipalMercado MunicipalEdifício Altino ArantesEdifício MartinelliEdifício MartinelliEdifício ItáliaVista do Edifício ItáliaEdifício CopanTeatro MunicipalEstação da LuzMuseu da Língua PortuguesaCatavento CulturalParque do IbirapueraParque do IbirapueraObeliscoMausoléu aos Heróis de 1932Museu do FutebolMuseu do IpirangaIgreja Nossa Senhora do BrasilCiclovia da Marginal PinheirosPonte EstaiadaZoológicoIgreja Santa Isabel Rainha
Catedral da Sé

Catedral da Sé

 

 

      A Catedral da Sé, localizada no marco zero da cidade, é um dos atrativos mais interessantes da capital paulista. Sua inauguração se deu em 25 de janeiro de 1954, dia de comemoração do quarto centenário de São Paulo, após 41 anos desde o início de sua construção por iniciativa de Dom Duarte Leopoldo e Silva, o primeiro arcebispo de São Paulo.

   

     No passado, desde o final do século XVI, sempre existiu uma igreja no local. A atual construção foi a terceira e não lembra em nada as duas igrejas anteriores. Sua arquitetura predominante em estilo neogótico foi inspirada na Catedral de Notre Dame de Paris e foi projetada pelo alemão Maximilian Emil Hehl, sendo esta uma das maiores igrejas em estilos neogóticos do mundo.

 

     O interior da catedral revela surpresas em sua decoração com animais e plantas de nossa fauna e flora como o sapo-boi, o tatu, o tucano entre outros. Observa-se também estátuas de santos trazidos da Itália e três altares. Nas laterais encontram-se dois mosaicos, um de cada lado, representando São Paulo, o padroeiro da cidade, e de Sant'Ana, todos construídos por artistas italianos.

 

     Quase que imperceptível, atrás do altar-mor se encontra o maior órgão da América Latina com 12 mil tubos e cinco teclados manuais, construído em Milão pela empresa Balbiani & Rossi. Para se ter uma melhor dimensão deste aparelho musical faça o tour virtual no site oficial da Catedral da Sé (www.catedraldase.org.br).

 

CRIPTA: Em baixo do altar-mor se encontra a Cripta, uma capela subterrânea com 30 tumbas sendo algumas vazias e outras onde se encontram os corpos e restos mortais de pessoas importantes para a igreja paulista e para a história do país como Regente Feijó, o Índio Tibiriçá e o Padre Bartolomeu de Gusmão, um cientista e padre que foi um dos pioneiros no experimento com balões.

 

     A grande surpresa da Cripta é a exposição temporária de uma réplica fiel do Sudário de Turim, o manto sagrado que supostamente cobriu o corpo de Jesus Cristo após sua crucificação. 

 

 

Onde: Praça da Sé s/n. Em frente à estação Sé do metrô (Linhas 1 Azul e 3 Vermelha).

 

Horários: de segunda à sexta das 8h às 19h. Sábados das 8h às 12h e das 13h às 17h. Aos domingos das 8h às 13h e das 14h às 17h. A Cripta abre de terça à sexta das 10h às 11:30 e das 13h às 17:30. Aos sábados das 10h às 11:30 e das 13h às 16:30 e aos domingos das 10h às 12:30 e das 14h às 16:30.

 

$: entrada gratuita. Para conhecer a cripta o valor é de R$ 5,00. Não é necessário agendar com antecedência, exceto para visitas em grupo.

 

Telefone: (11) 3107-6832

 

Site: www.catedraldase.org.br

 

Agradecimentos: Vera, a monitora que nos apresentou a catedral e sua cripta.

Catedral da Sé

Catedral da Sé

 

 

      A Catedral da Sé, localizada no marco zero da cidade, é um dos atrativos mais interessantes da capital paulista. Sua inauguração se deu em 25 de janeiro de 1954, dia de comemoração do quarto centenário de São Paulo, após 41 anos desde o início de sua construção por iniciativa de Dom Duarte Leopoldo e Silva, o primeiro arcebispo de São Paulo.

   

     No passado, desde o final do século XVI, sempre existiu uma igreja no local. A atual construção foi a terceira e não lembra em nada as duas igrejas anteriores. Sua arquitetura predominante em estilo neogótico foi inspirada na Catedral de Notre Dame de Paris e foi projetada pelo alemão Maximilian Emil Hehl, sendo esta uma das maiores igrejas em estilos neogóticos do mundo.

 

     O interior da catedral revela surpresas em sua decoração com animais e plantas de nossa fauna e flora como o sapo-boi, o tatu, o tucano entre outros. Observa-se também estátuas de santos trazidos da Itália e três altares. Nas laterais encontram-se dois mosaicos, um de cada lado, representando São Paulo, o padroeiro da cidade, e de Sant'Ana, todos construídos por artistas italianos.

 

     Quase que imperceptível, atrás do altar-mor se encontra o maior órgão da América Latina com 12 mil tubos e cinco teclados manuais, construído em Milão pela empresa Balbiani & Rossi. Para se ter uma melhor dimensão deste aparelho musical faça o tour virtual no site oficial da Catedral da Sé (www.catedraldase.org.br).

 

CRIPTA: Em baixo do altar-mor se encontra a Cripta, uma capela subterrânea com 30 tumbas sendo algumas vazias e outras onde se encontram os corpos e restos mortais de pessoas importantes para a igreja paulista e para a história do país como Regente Feijó, o Índio Tibiriçá e o Padre Bartolomeu de Gusmão, um cientista e padre que foi um dos pioneiros no experimento com balões.

 

     A grande surpresa da Cripta é a exposição temporária de uma réplica fiel do Sudário de Turim, o manto sagrado que supostamente cobriu o corpo de Jesus Cristo após sua crucificação. 

 

 

Onde: Praça da Sé s/n. Em frente à estação Sé do metrô (Linhas 1 Azul e 3 Vermelha).

 

Horários: de segunda à sexta das 8h às 19h. Sábados das 8h às 12h e das 13h às 17h. Aos domingos das 8h às 13h e das 14h às 17h. A Cripta abre de terça à sexta das 10h às 11:30 e das 13h às 17:30. Aos sábados das 10h às 11:30 e das 13h às 16:30 e aos domingos das 10h às 12:30 e das 14h às 16:30.

 

$: entrada gratuita. Para conhecer a cripta o valor é de R$ 5,00. Não é necessário agendar com antecedência, exceto para visitas em grupo.

 

Telefone: (11) 3107-6832

 

Site: www.catedraldase.org.br

 

Agradecimentos: Vera, a monitora que nos apresentou a catedral e sua cripta.

Pateo do Colegio

Pateo do Colegio

     Localizado no Centro da cidade em meio a arranha-céus o Páteo do Colégio foi o lugar onde a cidade de São Paulo foi fundada em 25 de janeiro de 1554. Construído para catequisar os Índos pelo Padre Manoel da Nóbrega e pelo jesuíta José de Anchieta no local foi construído o primeiro assentamento que deu origem a atual capital paulista. A primeira construção foi feita de pau-a-pique. Após muitas demolições e reformas o atual desenho foi construído no século XIX.

 

     A visita ao Páteo do Colégio é interessante. O Museu Anchieta, como é chamado, tem uma sala com uma exposição de imagens e cartas oficiais de várias épocas mostrando a evolução urbana de São Paulo. No andar de cima se encontra um pequeno museu de arte sacra com objetos sacros e imagens de santas. Destaque para a pia batismal usada no século XVI.

 

     No subsolo é possível visitar a cripta que no passado serviu de túmulo de diversos personagens da cidade. Hoje a cripta abriga exposições temporárias. Os túmulos ali encontrados foram migrados para outros pontos da cidade.

 

NÃO É PERMITIDO TIRAR FOTOS NO INTERIOR DAS SALAS DE EXPOSIÇÃO.

 

Onde:  o Páteo do Colégio se encontra no logradouro de mesmo nome, a 300 metros da Praça da Sé e a 300 metros da estação São Bento do metrô, entrada pela Ladeira Porto Geral.

Horários:  de terça à sexta das 9h às 16:45 e aos sábados, domingos e feriados das 9h às 16:30. A Biblioteca Pe. Antônio Vieira funciona de terça à sexta das 9h às 17h.

$:  adulto paga R$ 6,00.

Estrutura:  existe um café aberto ao público na entrada e dois banheiros no páteo interno ao custo de R$ 2,00 para o público ou gratuito para quem adquire o ingresso ao Museu Anchieta.

Site:  www.pateocollegio.com.br

 

Mosteiro São Bento

Mosteiro São Bento

     Conhecida como "A Jóia Beneditina do Centro de São Paulo" o complexo abriga uma igreja, um colégio e uma faculdade. O belíssimo interior da igreja segue o estilo alemão Beauronense e foi feito pelo beneditino belga Dom Edelberto Gressnigt no início do século passado. O desenho atual do complexo do Mosteiro de São Bento é o quarto da história.

 

     À esquerda da entrada da igreja existe uma pequena loja onde são vendidos os famosos doces, bolos e pães caseiros feitos pelos monges do mosteiro. O grande destaque é o Bolo Gaudeamus, feito com farinha de pistache, ovos e suco de limão e custa R$ 85,00. O mini-bolo Laetare que custa R$ 6,00 é outra pequena jóia. Ele é feito com farinha de amêndoas, açúcar, ovos, canela em pó, suco de limão e amêndoas. Delicioso!

 

     É possível conhecer o interior do mosteiro, participar do famoso Brunch e assistir a concorridíssima missa com o Canto Gregoriano. Para isso basta entrar em contato com a Multipla Eventos no telefone (11) 2440-7837 e escolher entre o segundo e o último domingo de cada mês. É difícil conseguir vagas em datas próximas. O passeio se inicia após a missa e termina por volta das 15 horas. Se quiser assistir a missa chegue cedo para conseguir uma vaga na igreja. 

 

Onde:  Largo São Bento, em frente à estação São Bento de metrô.

Horários:  o brunch ocorre no segundo e no último domingos de cada mês.

$:  o brunch custa R$ 170,00 por pessoa.

Sites:  www.mosteiro.org.br e www.padariadomosteiro.com.br

 

Mercado Municipal

Mercado Municipal

     Uma das maiores paixões do paulistano é o Mercadão, como é conhecido o Mercado Municipal da Cantareira. Sua arquitetura eclética foi desenvolvida por Ramos de Azevedo, pai de muitos outros ícones arquitetônicos da cidade como o Teatro Municipal e o Estádio do Pacaembu. 

 

     Em seu interior o mercado se apresenta em forma de feira com 4 setores principais: frutas, carnes, empórios e restaurantes. As bancas de frutas vendem espécies tradicionais e exóticas de todas as partes do país. As bancas de carnes, peixes e suínos tem produtos sempre frescos. Já os empórios são os mais procurados pelos visitantes onde podemos encontrar queijos, vinhos, azeites e bacalhau entre outros produtos nacionais e importados.

 

     Um dos símbolos da gastronomia paulistana, o famoso sanduíche de mortadela Ceratti, é vendido em duas lanchonetes: o Bar do Mané e o Hocca Bar. No mezanino se encontram restaurantes de comidas variadas. 

 

Onde:  o Mercadão se encontra na Rua da Cantareira, no Centro da cidade, a 500 metros da estação São Bento do metrô (Linha 1 Azul).

Horários:  de segunda à sábado das 6h às 18h. Domingos das 6h às 16h. Muitas bancas não funcionam aos domingos e a maioria fecha às 16h durante a semana.

Estrutura:  existem restaurantes e lanchonetes para refeições. Os sanitários se encontram no subsolo e no mezanino. Os dois páteos de estacionamento se encontram nas laterais do prédio com entrada pelas Avenida Mercúrio e pela Rua Com. Assad Abdalla. As filas são imensas e podem demorar entre 30 minutos e uma hora para estacionar. Os estacionamentos nos arredores são caríssimos.

Site:  www.mercadomunicipal.com.br

 

Mercado Municipal

Mercado Municipal

     Uma das maiores paixões do paulistano é o Mercadão, como é conhecido o Mercado Municipal da Cantareira. Sua arquitetura eclética foi desenvolvida por Ramos de Azevedo, pai de muitos outros ícones arquitetônicos da cidade como o Teatro Municipal e o Estádio do Pacaembu. 

 

     Em seu interior o mercado se apresenta em forma de feira com 4 setores principais: frutas, carnes, empórios e restaurantes. As bancas de frutas vendem espécies tradicionais e exóticas de todas as partes do país. As bancas de carnes, peixes e suínos tem produtos sempre frescos. Já os empórios são os mais procurados pelos visitantes onde podemos encontrar queijos, vinhos, azeites e bacalhau entre outros produtos nacionais e importados.

 

     Um dos símbolos da gastronomia paulistana, o famoso sanduíche de mortadela Ceratti, é vendido em duas lanchonetes: o Bar do Mané e o Hocca Bar. No mezanino se encontram restaurantes de comidas variadas. 

 

Onde:  o Mercadão se encontra na Rua da Cantareira, no Centro da cidade, a 500 metros da estação São Bento do metrô (Linha 1 Azul).

Horários:  de segunda à sábado das 6h às 18h. Domingos das 6h às 16h. Muitas bancas não funcionam aos domingos e a maioria fecha às 16h durante a semana.

Estrutura:  existem restaurantes e lanchonetes para refeições. Os sanitários se encontram no subsolo e no mezanino. Os dois páteos de estacionamento se encontram nas laterais do prédio com entrada pelas Avenida Mercúrio e pela Rua Com. Assad Abdalla. As filas são imensas e podem demorar entre 30 minutos e uma hora para estacionar. Os estacionamentos nos arredores são caríssimos.

Site:  www.mercadomunicipal.com.br

 

Edifício Altino Arantes

Edifício Altino Arantes

     De todos os arranha-céus de São Paulo este é o mais emblemático. Localizado no alto da região Central da cidade o Edifício Altino Arantes, também conhecido como Banespa por ter sido sede do antigo banco paulista, é o 3o. mais alto da cidade. Sua construção iniciada em 1939 e finalizada em 1947 foi inspirada no Empire State Building de Nova Iorque.

 

     Em seu topo se encontra uma antena e uma bandeira do Estado de São Paulo tremulando incessantemente. É possível visitar o mirante localizado no topo do edifício. Se apresente na recepção do lobby, faça um cadastro, deixe suas mochilas ou malas e espere a autorização do segurança. O elevador segue até o 26o. andar onde acessamos outro elevador até o 32o. andar de onde deve-se subir 3 andares de escada até o minúsculo mirante. Há acompanhamento de seguranças e o tempo máximo de permanência é de 5 minutos.

 

Onde:  Rua João Bricola, 24, continuação da Ladeira Porto Geral, no Centro de São Paulo, próximo à estação São Bento do metrô (Linha 1 Azul).

Horários:  de segunda à sexta das 10h às 15h.

$:  gratuito.

 

Edifício Martinelli

Edifício Martinelli

     O primeiro arranha-céu da cidade e o preferido dos paulistanos é o Edifício Martinelli. Com seus 105 metros de altura e 30 andares o edifício foi construído pelo arquiteto húngaro  William Fillinger   entre o período de 1924 e 1929 e até 1935 passou a ser o arranha-céu mais alto da América Latina e até 1947 o mais alto do Brasil. Seu idealizador foi o imigrante italiano Giuseppe Martinelli. Seu estilo arquitetônico eclético tem elementos barrocos e art decó. 

 

     No passado o edifício já foi sede de partidos políticos, já serviu de base militar para defender São Paulo na Revolução de 32, já foi um hotel luxuoso e desde 1975 pertence à Prefeitura de São Paulo onde funcionam algumas secretarias municipais.

 

     Há um mirante no 26o. andar de onde é possível ter um panorama do Centro da cidade e do Edifício Altino Arantes, o Banespa. Para chegar lá devemos nos dirigir à Avenida São João, número 35 e esperar que o segurança abra a porta. Faça um registro no livro de visitas e suba pelo elevador acompanhando pelo segurança. Não há restrição no tempo de permanência desde que seja respeitado o horário de visita.

 

Onde:  Avenida São João, 35, no Centro de São Paulo. A estação São Bento do metrô (Linha 1 Azul) se encontra a 200 metros.

Horários:  de segunda à sexta das 09:30 às 11:30 e das 14:30 às 16:30. Aos sábados e domingos das 9h às 13h.

$:  entrada gratuita.

Site:  www.prediomartinelli.com.br

Edifício Martinelli

Edifício Martinelli

     O primeiro arranha-céu da cidade e o preferido dos paulistanos é o Edifício Martinelli. Com seus 105 metros de altura e 30 andares o edifício foi construído pelo arquiteto húngaro  William Fillinger   entre o período de 1924 e 1929 e até 1935 passou a ser o arranha-céu mais alto da América Latina e até 1947 o mais alto do Brasil. Seu idealizador foi o imigrante italiano Giuseppe Martinelli. Seu estilo arquitetônico eclético tem elementos barrocos e art decó. 

 

     No passado o edifício já foi sede de partidos políticos, já serviu de base militar para defender São Paulo na Revolução de 32, já foi um hotel luxuoso e desde 1975 pertence à Prefeitura de São Paulo onde funcionam algumas secretarias municipais.

 

     Há um mirante no 26o. andar de onde é possível ter um panorama do Centro da cidade e do Edifício Altino Arantes, o Banespa. Para chegar lá devemos nos dirigir à Avenida São João, número 35 e esperar que o segurança abra a porta. Faça um registro no livro de visitas e suba pelo elevador acompanhando pelo segurança. Não há restrição no tempo de permanência desde que seja respeitado o horário de visita.

 

Onde:  Avenida São João, 35, no Centro de São Paulo. A estação São Bento do metrô (Linha 1 Azul) se encontra a 200 metros.

Horários:  de segunda à sexta das 09:30 às 11:30 e das 14:30 às 16:30. Aos sábados e domingos das 9h às 13h.

$:  entrada gratuita.

Site:  www.prediomartinelli.com.br

Edifício Itália

Edifício Itália

     Um dos arranha-céus mais famosos de São Paulo é o Edifício Itália (nome oficial: Circolo Italiano). Ele é conhecido erroneamente como o mais alto edifício de São Paulo e do Brasil com seus 165 metros de altura. Na verdade o edifício mais alto é o Mirante do Vale, localizado no Vale do Anhangabaú, com 170 metros de altura.

 

     Sua construção data da década de 60 e sua inauguração se deu em 1965. O projeto original foi do arquiteto alemão Franz Heep. São 41 andares sendo que no topo se encontra o restaurante Terraço Itália e um Piano Bar, onde existe um mirante do qual é possível ter uma visão 360 graus da cidade.

 

     Para subir no mirante é necessário consumir algo no restaurante ou no Piano Bar, exceto durante o período entre às 15h e 16h, de segunda à sexta. No lobby procure os elevadores 7, 8 ou 9 e suba até o 37o. andar. Lá você deve atravessar o corredor e pegar um outro elevador até o 41o. andar.

 

Onde:  na esquina das avenidas Ipiranga e São Luís, em frente à estação República do Metrô (linhas 3 vermelha e 4 amarela).

Horários:  de segunda à sexta das 15h às 16h gratuitamente. A qualquer hora a visita é possível se houver consumo no restaurante ou no piano bar.

$: gratuita das 15 às 16h somente de segunda à sexta.

Vista do Edifício Itália

Vista do Edifício Itália

     Um dos arranha-céus mais famosos de São Paulo é o Edifício Itália (nome oficial: Circolo Italiano). Ele é conhecido erroneamente como o mais alto edifício de São Paulo e do Brasil com seus 165 metros de altura. Na verdade o edifício mais alto é o Mirante do Vale, localizado no Vale do Anhangabaú, com 170 metros de altura.

 

     Sua construção data da década de 60 e sua inauguração se deu em 1965. O projeto original foi do arquiteto alemão Franz Heep. São 41 andares sendo que no topo se encontra o restaurante Terraço Itália e um Piano Bar, onde existe um mirante do qual é possível ter uma visão 360 graus da cidade.

 

     Para subir no mirante é necessário consumir algo no restaurante ou no Piano Bar, exceto durante o período entre às 15h e 16h, de segunda à sexta. No lobby procure os elevadores 7, 8 ou 9 e suba até o 37o. andar. Lá você deve atravessar o corredor e pegar um outro elevador até o 41o. andar.

 

Onde:  na esquina das avenidas Ipiranga e São Luís, em frente à estação República do Metrô (linhas 3 vermelha e 4 amarela).

Horários:  de segunda à sexta das 15h às 16h gratuitamente. A qualquer hora a visita é possível se houver consumo no restaurante ou no piano bar.

$: gratuita das 15 às 16h somente de segunda à sexta.

Edifício Copan

Edifício Copan

     É um dos mais emblemáticos edifícios da capital paulista com sua fachada sinuosa e com linhas paralelas. Seu idealizador foi Oscar Niemayer e sua construção aconteceu entre 1951 e 1966 com algumas interrupções durante este período. 

 

     O seu uso é misto sendo os 3 primeiros andares com galerias, escritórios e comércios e o restante com apartamentos residenciais. São 1.160 apartamentos e mais de 2 mil residentes neste condomínio.

 

     Não há mirante no topo do edifício e não há possibildade de visitação interna para o público.

 

Onde: Av. Ipiranga, 200, a 300 metros da estação República do Metrô (linhas 3 vermelha e 4 amarela).

Site: www.copansp.com.br

 

Teatro Municipal

Teatro Municipal

Teatro Municipal

Estação da Luz

Estação da Luz

A Estação da Luz é um dos mais importantes edifícios históricos de São Paulo. Ela marca o período do auge das ferrovias no Estado de São Paulo. O prédio atual não é o original e foi inaugurado em 1901 sob concessão da São Paulo Railway. 

 

Até hoje ela é utilizada, mas somente para transporte de passageiros através dos trens da CPTM que ligam São Paulo à outras cidades do entorno e bairros mais afastados, integrando-se com o metrô com as linhas 1 Azul e 4 Amarela. 

 

A visita guiada ocorre somente aos finais de semana em dois horários: às 12h e às 14h. Um educador do Museu da Língua Portuguesa os encontrará no ponto de encontro que fica na bilheteria do Museu da Língua Portuguesa. Na visita, o educador irá contar detalhes de sua história, como o incêndio na década de 40, e fatos curiosos que ainda são atuais, como a segregação do público que a frequenta.

 

Onde: Praça da Luz, 1. Metrô Luz (Linha 1 Azul e 4 Amarela).

 

Horários: a estação da Luz está sempre aberta ao público que utiliza os trens da CPTM

 

Visitas Guiadas: aos sábados e domingos às 12h e às 14h. Ponto de encontro na bilheteria do Museu da Língua Portuguesa.

 

$: as visitas guiadas são gratuitas

 

Site: www.estacaodaluz.org.br

 

 

Museu da Língua Portuguesa

Museu da Língua Portuguesa

O Museu da Língua Portuguesa é um dos mais interessantes da cidade. Ele não é um museu de dicionários ou livros de regras gramaticais. Nele há muita interatividade com o público onde é possível conhecer mais sobre a história de nosso idioma e a influência de outros idiomas trazidos ao Brasil pelos povos que aqui chegaram, trazendo novas expressões e palavras. Seus painéis são muito interativos, tanto para adultos quanto para crianças.

 

Onde: Praça da Luz, 1, dentro da Estação da Luz. Estação Luz do metrô, linhas 1 Azul e 4 Amarela.

 

Horários: de terça à domingo das 10h às 18h

 

$: adultos pagam R$ 6,00

 

Estrutura: há banheiros no local

 

Site oficial: www.museudalinguaportuguesa.org.br

 

Catavento Cultural

Catavento Cultural

     O antigo Palácio das Indústrias, projetado por Domiziano Rossi e inaugurado em 1924, foi construído para ser um centrode exposições e já foi sede da Rádio Gazeta, sede da Assembléia Legislativa, Secretaria de Segurança Pública e Prefeitura Municial (1992 a 2004) e hoje abriga o Catavento Cultural, um museu científico e educacional surpreendente. 

 

     As quatro seções do museu (Universo, Vida, Seção, Engenho e Sociedade) estão divididos nos dois pavimentos do edifício. As atrações são interativas e prendem a atenção dos visitantes. Se você quiser saber qual seria o seu peso nos outros planetas e na luga, lá você saberá. Conheça a evolução da ciência nas antigas civilizações, curiosidades sobre a fauna e a flora brasileira, faça experiências químicas no laboratório ou fique com os cabelos em pé na sala de eletromagnetismo. Do lado de fora se encontram antigas locomotivas do início do século passado e uma aeronave Douglas DC-3.

 

     Durante os dias da semana existem muitas excursões de escolas o que pode causar um pouco de barulho com a conversa dos alunos e dificuldades na locomoção entre os ambientes. Para participar dos experimentos no laboratório entre outras atividades programadas ligue antes para saber as datas e os horários.

 

Onde: Palácio das Indústrias, Av. Mercúrio s/n, na pista da esquerda, no Parque Dom Pedro II. 

Horários: de terça á domingo das 9h às 16h com permanência até às 17h.

$: inteira custa R$ 6,00. 

Tempo de Visita: de 1 a 3 horas.

Estrutura: há estacionamento (R$ 10,00 a primeira hora)

Site: www.cataventocultural.org.br

Parque do Ibirapuera

Parque do Ibirapuera

Parque do Ibirapuera

Parque do Ibirapuera

Parque do Ibirapuera

Parque do Ibirapuera

Obelisco

Obelisco

O Obelisco do Ibirapuera é o maior monumento da cidade, com 72 metros de altura, e foi construído para celebrar o IV centenário da cidade de São Paulo. O Obelisco também representa o orgulho paulista da Revolução de 32. Abaixo dele se encontra o recém reformado Mausoléu e Memorial aos Heróis da Revolução de 32, onde estão enterrados os 4 voluntários mais famosos desta revolução: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (MMDC), e mais 713 voluntários, entre eles paulistas, mineiros, baianos e italianos.

 

Além das homenagens aos grandes heróis da história paulista, há cenas bíblicas e passagens da história de São Paulo representadas em belíssimos painéis de mosaicos venezianos.

 

As autoridades poderiam repensar dois aspectos falhos e muito importantes para o enriquecimento aos visitantes. O primeiro é o acesso. O Obelisco se encontra ilhado na Av. Pedro Álvares Cabral, em frente a uma das principais entrada do Parque do Ibirapuera, sem que haja um semáforo, uma passarela ou uma faixa de pedestres. Chegar ao local significa ter que arriscar a própria vida para atravessar a avenida.

 

O segundo fator importante é a falta de informações sobre o local. Na entrada, ao invés de informações ou pessoas treinadas e habilitadas para passar informações aos visitantes, se encontra um policial para zelar o lugar contra os vândalos. É mais um lugar maravilhoso que não recebe a devida atenção perante a sua importância e beleza.

Mausoléu aos Heróis de 1932

Mausoléu aos Heróis de 1932

O Obelisco do Ibirapuera é o maior monumento da cidade, com 72 metros de altura, e foi construído para celebrar o IV centenário da cidade de São Paulo. O Obelisco também representa o orgulho paulista da Revolução de 32. Abaixo dele se encontra o recém reformado Mausoléu e Memorial aos Heróis da Revolução de 32, onde estão enterrados os 4 voluntários mais famosos desta revolução: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (MMDC), e mais 713 voluntários, entre eles paulistas, mineiros, baianos e italianos.

 

Além das homenagens aos grandes heróis da história paulista, há cenas bíblicas e passagens da história de São Paulo representadas em belíssimos painéis de mosaicos venezianos.

 

As autoridades poderiam repensar dois aspectos falhos e muito importantes para o enriquecimento aos visitantes. O primeiro é o acesso. O Obelisco se encontra ilhado na Av. Pedro Álvares Cabral, em frente a uma das principais entrada do Parque do Ibirapuera, sem que haja um semáforo, uma passarela ou uma faixa de pedestres. Chegar ao local significa ter que arriscar a própria vida para atravessar a avenida.

 

O segundo fator importante é a falta de informações sobre o local. Na entrada, ao invés de informações ou pessoas treinadas e habilitadas para passar informações aos visitantes, se encontra um policial para zelar o lugar contra os vândalos. É mais um lugar maravilhoso que não recebe a devida atenção perante a sua importância e beleza.

Museu do Futebol

Museu do Futebol

     O Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho é o grande templo do futebol paulista. Inaugurado em 1940 ele foi construído por Ramos de Azevedo e em 1950 foi um dos principais estádios da Copa neste mesmo ano.

 

     Embaixo da arquibancada, setor laranja, funciona o Museu do Futebol. Muito mais que uma exposição sobre os clubes locais o museu do futebol priorizou o futebol do país inteiro. O visitante pode interagir com equipamentos tecnológicos e assistir gols, ouvir depoimentos de profissionais envolvidos com o futebol, medir a potência de seu próprio chute e conhecer a história do futebol.

 

     Há muito material exposto sobre as copas do mundo, com destaque para Copa de 50, realizada no Brasil. O circuíto do museu passa por 15 salas temáticas e na saída existe uma loja onde é possível adquirir camisas de clubes do mundo inteiro e acessórios para jogar futebol. Não é permitido fotografar dentro do museu. Há a possibilidade de fotografar o interior do estádio da arquibancada que faz parte do circuíto do museu. 

 

Onde:  Praça Charles Muller s/n, a 1.400 metros da estação Paulista do metrô (Linha 4 Amarela)

Horários:  de terça à domingo das 9h às 17h.

$:  R$ 6,00. Há a possibilidade de alugar um audioguia na bilheteria. 

Tempo de visita:  no mínimo 1 hora.

Site:  www.museudofutebol.org.br

 

Museu do Ipiranga

Museu do Ipiranga

Fechado para obras até 2019

Igreja Nossa Senhora do Brasil

Igreja Nossa Senhora do Brasil

Brasileira ou Portuguesa? Eis a porimeira pergunta a se fazer ao visitar a Igreja Nossa Senhora do Brasil. Sua fachada externa poderia responder esta pergunta pois apresenta estilo barroco típico português do período colonial. Seu interior não poderia ser mais português, com decorações em azulejos portuguêses onde se encontram cenas da história do Brasil, como a representação da primeira missa resada em solo tupiniquim. 

 

Está enganado se você pensou que esta igreja é tão antiga quanto as suas semelhantes encontradas em Ouro Preto, Salvador, Olinda ou Parati. A Igreja Nossa Senhora do Brasil foi construída em 1942 em um projeto do engenheiro George Przirembel e do arquiteto Bruno Simões Magro. A igreja foi inaugurada apenas no final da década seguinte, após quase 15 anos de construção.

 

O teto da igreja, obra de Antônio Paim Vieira, foi decorado com reproduções do teto da Capela Sistina, no Vaticano e o teto da Capela-Mor reproduz o céu estrelado no dia do nascimento de Maria. 

 

É um daqueles lugares que não se pode deixar de conhecer ao visitar esta enorme metrópole que é São Paulo. 

 

Ciclovia da Marginal Pinheiros

Ciclovia da Marginal Pinheiros

A Ciclovia da Marginal Pinheiros foi inaugurada em 2010 e atualmente conta com aproximadamente 21 km, levando em conta os trechos dos dois lados do Rio Pinheiros. Este projeto foi muito bem vindo pelos milhares de paulistanos que aproveitam um dos poucos espaços naturais da cidade para pedalar, seja à lazer ou à trabalho. 

 

A estrutura montada para atender aos usuários ainda precisa de melhorias. Há poucos acessos e dentre os que já existem, alguns são dificultados por escadarias muito íngremes. Obras ao longo do Rio Pinheiros também exigem certa atenção dos ciclistas. Mas o que mais incomoda é o cheiro terrível exalado pelas "águas" do rio Pinheiros.

 

Nos acessos há banheiros e bebedouro para atender os usuários. Mapas explicativos são expostos. Aos finais de semana e feriados você pode pedalar pelas ciclovias e ciclofaixas da cidade, roteirizando um passeio incrível que pode incluir a ciclovia da marginal do Rio Pinheiros. Ao longo dela há a possibilidade de admirar a arquitetura futurista e "robótica" dos mais novos edifícios que decoram a orla do rio Pinheiros. 

 

Acesso mais ao norte: Ponte do Jaraguá, próximo ao Parque Vila Lobos. 

Acesso mais ao sul: Av. Miguel Yunes, próximo ao Autódromo de Interlagos.

Ponte Estaiada

Ponte Estaiada

A Ponte Otávio Frias de Oliveira, mais conhecida pelos paulistanos como Ponte Estaiada, é um dos mais recentes símbolos arquitetônicos da capoital paulista. Com apenas 7 anos desde sua inauguração, a ponte parece que sempre esteve presente na paisagem pós-moderna da região da Av. Eng. Luis C. Berrini, no Brooklyn.

 

A ponte fica mais bonita à noite quando recebe iluminação artificial. Qualquer um que passa de carro pela região faz questão de cruzar a ponte, seja por debaixo dela, seja por uma de suas pistas de 1600 metros de comprimento que ligam a pista sul da Marignal Pinheiros à Avenida Jornalista Roberto Marinho. 

Zoológico

Zoológico

Zoológico de São Paulo

Igreja Santa Isabel Rainha

Igreja Santa Isabel Rainha

     O atual templo de Santa Isabel Rainha foi projetado e concluído em 1950 por Benedito Calixto Neto no lugar da antiga igreja de mesmo nome através da iniciativa do Monsenhor Ciro Turino e com ajuda financeira de doações oriundas de moradores da região.

 

     A igreja foi construída em estilo neo-clássico e tem uma das torres mais altas do país com 90 metros de altura. No momento a visita à torre está interditada e não há previsão de reabertura. Sua cúpula de 62 metros de altura foi inspirada na catedral de Santa Maria del Fiore de Florença, na Itália. Na entrada as três portas representam a Santa Trindade e os 4 pilares que sustentam a fachada principal receberam os nomes de quatro apóstolos em mosaico no idioma latim (Joannes, Paulus, Petrus e Matthaeus). Os outros oito apóstolos estão representados nas outras colunas localizadas na fachada lateral, abaixo da torre.

 

     Os vitrais internos representam cenas da vida de Santa Isabel a rainha de Portugal durante o final do século XIII e o início do século XIV. O milagre das Rosas, de sua autoria, foi o motivo de sua beatificação.

 

Onde:  Av. Rainha Santa, 322, Vila Santa Isabel, Zona Leste de São Paulo.