Buenos Aires - Como Circular

Metrô (Subte)A péTáxiÔnibusÔnibus TurísticoBicicleta
Metrô (Subte)

Metrô (Subte)

Preço: o passe do metrô custa 5 pesos argentinos por viagem. Há o bilhete individual para 1 ou 2 viagens. Tenha sempre trocados em mãos pois notas maiores não são aceitas nas bilheterias. 

Horário de funcionamento: cada linha tem seu horário de funcionamento. A maioria delas funciona à partir das 5 horas. O fechamento varia muito de acordo com cada linha. Pode ser às 21h, 22h, 22:30, 22:45 ou 23h. 

A linha Linha -B funciona a partir das 6h e não funciona aos domingos. Aos sábados ela fecha às 13 horas. Confira os horários de todas as linhas no link www.buenosaires.gob.ar/subte/horarios.

 

Comocircular8 

 

Saiba mais: o Subte, como é conhecido o metrô de Buenos Aires, é o mais antigo da América Latina e do hemisfério Sul. Sua primeira linha, atual Linha C, foi construída em 1913. Por conta disto, algumas composições e estações são muito antigas e nos dá a impressão que estão abandonadas, mesmo sendo administradas pela iniciativa privada.

 

Muitas estações não tem escadas rolantes nem elevadores, dificultando o acesso para pessoas com problemas de locomoção.

 

Atualmente o Subte conta com 6 linhas, Linha -ALinha -B, Linha -CLinha -D, Linha -E e Linha -H, totalizando 58,8 km de extensão e 83 estações. Há um projeto de extensão do metrô que está parado devido à crise econômica, mas quando estiver pronto, irá atender as zonas importantes da cidade que não são atendidas pelo metrô e integrará melhor as linhas já existentes. 

 

Comocircular6

Estação Plaza de Mayo, linha Linha -A. Foto: Rafael D'Angelo.

A pé

A pé

Caminhar pela cidade é de longe a melhor maneira de se locomover e de se apreciar a arquitetura de Buenos Aires. Seu relevo plano e suas ruas projetadas em formato de tabuleiro de xadrez facilitam as caminhadas com menor esforço físico e de fácil localização. Basta ter um mapa nas mãos e sair caminhando. Se você tiver disposição, pode até caminhar entre o Centro, San Telmo, Puerto Madero e a Recoleta, sem problema algum. 

 

Calçadas: este é um fator negativo pelas ruas da cidade. A maioria das calçadas no Retiro, Microcentro e Montserrat estão esburacadas e abandonadas. É normale que você divida sua atenção entre as belezas da cidade e as saliências da calçada para que não torça o pé ou o tornozelo. 

 

Cruzamentos: nos principais cruzamentos há semáforos para carros e pedestres. Há situações nas quais o semáforo está verde tanto para carros quanto para pedestres, mas a preferência é sempre do pedestre e isto é respeitado, não totalmente, pelos motoristas. 

 

Segurança: este é outro fator que nos deixa mais à vontade para caminhar. Buenos Aires ainda está longe de ser uma cidade violenta como as grandes cidades brasileiras. Por mais que os porteños digam que a cidade nunca esteve tão violenta, você se sentirá seguro.

Mesmo assim, não dê sopa para o asar. Hoje em dia não é mais possível andar com jóias que você terá chances de ser uma vítima. Batedores de carteira também ficam à espreita esperando uma vítima dar a chance. Mas se você tomar os cuidados de sempre, como se estivesse andando no centro de qualquer cidade brasileira, não terá maiores problemas.

À noite, evite caminhar à partir da Av. Corrientes para sul, no bairro de Montserrat. Evite também a Zona Financeira após o sol se por, pois o lugar fica ermo. O Bairro de La Boca, sempre evite antes das 10 horas da manhã e após às 17 horas, e não se afaste dos 5 quarteirões que separam o Estádio La Bombonera do Caminito.

Táxi

Táxi

Uma das melhores maneiras de percorrer médias e longas distâncias em Buenos Aires é de táxi. A cidade é repleta deles e as tarifas são relativamente baixas. Para ir do Obelisco até a Recoleta, por exemplo, custa US$ 5 dólares, o mesmo que do Obelisco para La Boca.

 

Os táxis oficiais da cidade tem cores preto e amarelo. Eles estão por toda parte. Na hora do rush é mais difícil pegar um táxi livre fora dos pontos.

 

Cuidado: você pode cair em uma roubada se não pegar os táxis pretos e amarelos ou os táxis oficiais dos aeroportos. Há quadrilhas com falsos taxistas esperando suas vítimas para assaltar. Prefira os táxis dos pontos em frente ao teu hotel. Se estiver jantando fora, peça informações ao restaurante sobre como conseguir um táxi. Pode ser que o próprio restaurante chame um de confiança. 

Há também o famoso golpe da nota falsa. Na hora de pagar o táxi, peça primeiro pelo troco e depois dê a nota. Alguns taxistas aplicam o golpe nesta hora. Eles pegam a nota original usada para pagamento (principalmente as de 100 pesos), e em um movimento rápido troca por uma nota falsa e diz que você o pagou com esta nota falsa. Então ele te devolve a falsa e você usa outra nota original para pagá-lo, e você sai no prejuízo. Mas vale lembrar que este golpe não é aplicado por todos os taxistas. A maioria deles é idônea, mas esteja sempre alerta.

Tenha em mãos notas baixas para pagar as corridas mais baratas e arredonde o valor para que não tenha troco. Mostre bem a nota ao taxista para que ele perceba que você não vai cair no golpe. 

 

Moeda: uma boa parcela dos taxistas aceita pagamentos em dólares ou reais e o câmbio utilizado por eles é sempre melhor do que o oficial. 

 

Ônibus

Ônibus

Os ônibus públicos, conhecidos como coletivos, são o meio de transporte público mais utilizado pelos porteños, mas são muito pouco usados pelos turistas. A vantagem dos ônibus públicos é que eles podem te levar a lugares que o metrô não chega e é muito barato.

Mas as desvantagens para o turista utilizá-lo são grandes. Nas longas distâncias muitos preferem usar o serviço de um táxi, que também é relativamente barato na cidade. Além disso, para que você use o ônibus em Buenos Aires você deve seguir algumas regras um pouco chatas. Primeiro, você tem que dizer ao motorista para onde quer ir. Então, ele dirá o valor que você terá que depositar na máquina de bilhetes. O valor dependerá do quanto você irá percorrer. Apenas moedas são aceitas e as moedas são muito difícieis de se conseguir. Elas são cada vez mais raras por conta da inflação desenfreada no país.

Após inserir as moedas na máquina retire seus bilhetes e o guarde. Caso passe um fiscal, ele pedirá que você o mostre o bilhete. Caso você não o tenha em mãos, além de levar uma bronca pagará uma multa.

No linl www.omnilineas.com.ar/buenos-aires/colectivos/, você pode simular o percurso que você quer e aparecerá o resultado com os números dos ônibus que você poderá utilizar.

Preço: o bilhete custa 3,60 pesos (corrida mínima de 3 km).

Ônibus Turístico

Ônibus Turístico

Horário de novembro a abril: das 8:40 às 19 horas

Horário de maio a outubro: das 9 às 17:20.

Frequência: a cada 20 minutos

$ Bilhete válido por 24h - a partir de 12 anos: 170 pesos

$ Bilhete válido por 24h - entre 4 e 11 anos: 85 pesos. Crianças abaixo de 3 anos não pagam.

$ Bilhete válido por 48h - a partir de 12 anos: 230 pesos

$ Bilhete válido por 24h - entre 4 e 11 anos: 115 pesos. Crianças abaixo de 3 anos não pagam.

Site: www.buenosairesbus.com/pt/

 

Saiba mais:

O Bus Turístico de Buenos Aires é a forma preferida e mais cômoda para muitos visitantes de conhecer a cidade. Assim como em outras cidades do mundo, o circuito principal (recorrido) passa pelos principais atrativos da cidade, parando em alguns deles, possibilitando que o usuário desça para conhecer a atração e pegue o próximo ônibus utilizando o mesmo bilhete.

O ponto inicial e final deste circuito é na Calle Florida, esquina com a Roque Saez Peña e no total a duração do passeio, sem que você desça do ônibus, é de 3 horas e 15 minutos.

Há um circuito menor partindo do Planetário, em Palermo, que segue pela região de Palermo e está conectado com o circuito principal.

Bicicleta

Bicicleta

Documentos necessários: para retirar tua bicicleta você, turista estrangeiro, deve levar o passaporte e uma cópia dele. Se você estiver com o RG, deve levar o RG e o recibo carimbado que foi entregue na entrada pela imigração do aeroporto, com o carimbo de entrada na Argentina, além de uma cópia de cada. 

Procedimento padrão: ao apresentar os documentos acima em um dos pontos de retirada, você fará um cadastro, tirará uma foto, assinará um termo de responsabilidade e receberá uma senha. Você poderá utilizar a bicicleta por no máximo 1 hora e terá de devolve-la em qualquer estação Ecobici ou poderá renová-la por mais 1 hora. Não há limite de renovações.

Estações: você também receberá um mapa com a localização destas estações, facilitando o planejamento do teu roteiro. Ou então, baixe o aplicativo no link www.buenosaires.gob.ar/aplicacionesmoviles

Horários: de segunda a sexta das 8h às 20h e aos sábados das 9h às 15h.

 

Saiba mais: a cidade de Buenos Aires oferece um sistema de mobilidade urbana por bicicletas conhecido como Ecobici, que pode ser usado tanto por moradores quanto por visitantes.

Este sistema é formado por ciclovias de mão única ou dupla, estações Ecobici de retirada e devolução e mais de 3 mil espaços para estacionamento de bicicletas próximos á estações do metrô, edifícios públicos, atrações turísticas, hospitais, escolas, praças, entre outros.

Para os visitantes, há ciclovias espalhadas por toda região Central, Puerto Madero, Recoleta, Palermo e La Boca